E-commerce desafios e oportunidades para as farmácias

Quero trazer um assunto sobre o mercado digital, mas especificamente sobre e-commerce, os desafios e oportunidades para as farmácias, afinal este modelo de negócio vem crescendo dois dígitos ao ano há mais de 20 anos e vem, se consolidando como um canal de vendas que oferece conveniência e facilita o dia a dia dos consumidores.



É fato que a cada dia, mais e mais pessoas fazem sua primeira compra pelo e-commerce, e isto não significa que as lojas físicas deixarão de existir, mas que o consumidor irá escolher se fará a compra na loja, site, por um aplicativo de terceiros ou WhatsApp.


A verdade é que atualmente vivemos profundas transformações que impactam no nosso cotidiano e, obrigam as empresas a estarem em constantes mudanças. Para as farmácias o cenário não foi diferente, sobreviver exige a digitalização do negócio e, o primeiro passo para acelerar este processo, é implementar um e-commerce. E isto, já gera uma mudança no formato de trabalho de qualquer empresa.


O gestor de uma pequena rede de lojas pode até pensar como conseguirá concorrer no e-commerce com as grandes redes. A vantagem de ser pequeno é a facilidade de implementação de novas funcionalidades, de customização e personalização, e dai vem a criatividade para ganhar destaque no mercado.


Quando pensamos em e-commerce a ideia inicial é um negócio muito lucrativo, custo de implementação baixo e muitas vendas, afinal a loja estará disponível para todo o Brasil. Bem, a conta não é bem esta, pois no universo digital a concorrência é acirrada e, a escolha na compra. entre uma loja e outra, está a um clique. É importante pensar no negócio como estratégia duradoura, e não só de preço baixos, mas de serviços e inovação. Mas, antes de sair contratando uma plataforma, é importante planejar o que irá oferecer, que região irá atender, que serviços quer oferecer, o que realmente agregaria valor ao seu cliente.


Reunir a equipe, gerente de loja, farmacêutico, balconista, entre outros funcionários para provocar discussões de como o e-commerce poderia trazer vantagens competitivas para o negócio, pode ser um começo. Se a equipe não tem esta habilidade, eventualmente consultorias externas, poderão ajudar com ideias arejadas para o negócio, visto que não estão presas aos limites criados por hábitos e costumes de funcionários.


Um profissional com conhecimento poderá trazer uma reflexão sobre o fato de pensar em atender todo o Brasil com seu e-commerce, quando vende um produto disponível em qualquer farmácia do país. É importante ter claro as expectativas que a empresa espera do canal de vendas.


Como gestor poderá pensar, por que ter um e-commerce? Porque é uma oportunidade para aumentar o faturamento de uma loja, aliás de todas as lojas, com a funcionalidade de multiestoques, em no mínimo 30%.


Nos últimos meses vimos muitas experimentações feita pelos varejistas ao usar outros formatos de vendas que talvez levariam anos para experimentar ou nem chegariam a isto. O mercado está acelerado, e se fala que a digitalização que estava prevista para os próximos 10 anos aconteceu em 2020, em poucas semanas e, só foi possível pois a tecnologia já estava disponível, nada foi criado de novo, só maneiras de usar.


Em 2020 os Aplicativos de entrega, foram os maiores responsáveis para divulgação do delivery e para farmácias que já atuava8 no e-commerce, integrar e disponibilizar mais este serviço, canal de vendas aos consumidores, foi simples e rápido. Vender em Marketplaces como Americanas, Amazon, entre outros gigantes do e-commerce, ter o canal de comunicação com os clientes pelas redes sociais e WhatsApp, tudo isso fica mais fácil via e-commerce, que é uma porta de integração, as mais diversas tecnologia disponíveis para vender, divulgar seus serviços e se conectar com os clientes.

Consumidores 50+ são a faixa etária com maior crescimento na internet e os principais clientes de farmácias. Não há dúvidas que as compras online e suas facilidades conquistaram aqueles que ainda estavam resistentes e agora a farmácia precisa ser digital.


No segmento Farma pouco se inovou, e para estar no mesmo nível dos concorrência no e-commerce no segmento, basta ter um site com todas as funcionalidades já disponíveis nas principais plataformas do mercado, inclusive PBM, e para chegar a este patamar serão aproximadamente 6 a 8 meses e um investimento em torno de 200 mil para a loja online, usando o estoque e infraestrutura das lojas físicas para a entrega. Agora, o importante para alavancar as vendas é programar uma verba de marketing, sem definir esta verba, nem comece. Para referência, quando falamos de loja física a maior preocupação do varejista é o ponto, se tem fluxo de pessoas, estacionamento, se é esquina positiva, enfim são inúmeros fatores para definir onde irá abrir a loja. Agora, se o ponto for ruim em uma rua sem saída, para gerar fluxo de pessoas, terá que colocar uma placa na esquina informando que sua loja esta ali e que vale conhecer. O e-commerce é esta loja na rua sem saída e esta placa para divulgar custa caro.


Mas, com a plataforma certa e investimento em mídia, surgirão muitas oportunidades de parceiras, que trarão retorno ao investimento. Atualmente os desafios são poucos, pois o mercado oferece muitos recursos e diante disto existem muitas oportunidades para vender mais e divulgar sua marca, entre elas:


- Integração com Marketplaces: vender e divulgar a farmácia.

- Integração com aplicativos de entrega: vender para quem quer rapidez e não é seu cliente ainda.

- Integração com aplicativos de receituário: automatizar e facilitar o atendimento.

- Integração com PBM: ofertar melhor preço ao cliente e ter maior rentabilidade.

- Criação de assinatura de fraldas geriátricas: além da fidelização, são produtos de uso contínuo.

- Tele atendimento: um fale com o farmacêutico, mas humanizado com contato visual.

- Ter um canal único de comunicação com o cliente via WhatsApp: facilita a comunicação.

- Ação ativa de venda usando ferramentas de CRM digital: objetivo de desenvolver as campanhas e direcionar os melhores clientes para seus vendedores das lojas físicas para gerar mais venda e aumentar o relacionamento.


E, a lista de oportunidades não para por aí.


O Importante é não achar que é fácil implementar um e-commerce. O negócio tem muitas particularidades por isto, contrate um profissional com conhecimento de e-commerce ou um serviço de consultoria, não delegue para alguém da empresa que conhece um pouco do negócio ou para a área de TI. Ao abrir uma loja física, a responsabilidade não é delegada para um gerente de loja, por mais que ele conheça e tenha muita experiência do negócio.


Entendemos também que o e-commerce não é um projeto de uma área específica da empresa, pois exige que todos, farmacêuticos, gerentes de loja, balconistas, compradores, financeiros, entre outras áreas, se envolvam para que realmente este o canal de venda digital seja um sucesso!


Digitalize sua empresa e construa um negócio que estará em constante transformação, sempre acompanhando as novidades do universo digital


Sucesso e boas vendas!

Posts Em Destaque
Posts Recentes
Categoria
Procurar por tags
Siga
  • LinkedIn Social Icon